27.1.06

Presidenciais 2006

Eleiçoes presidenciais em Portugal, mobilizaçao geral no Consulado em Paris. A communidade emigrante reunida, eu inclusive, no posto de Secretario da mesa de voto n°6. Primeira participaçao activa numa eleiçao nacional, ver a maquina eleitoral a funcionar por dentro nao deixa de nos dar uma outra visao da coisa.O lacrar da urna com o brazao do consulado português marca o ponto alto do dia. Fui dos primeiros a votar, as 8 da manha de Sexta-feira 20.
Mas mais importanto que o acto eleitoral em si, as pessoas que conheci. Entre delegados dos partidos e colegas nas mesas de voto, encontramos de tudo, de Bragança a Olhao, da esquerda e da direita. Pessoas fabulosas estes portugueses da Francia!!
Foram dois dias a ouvir historias do arco da velha, do Portugal de outros tempos, da ditadura, do 25 Abril e de como ele se viveu longe da patria. Historias estas patrocinadas na maior parte dos casos pelo meu colega Escrutinador Abilio Laceiras, correspondente de imprensa, livre pensador e cidadao do Mundo, que trata por "tu" Cavaco Silva e Mario Soares!
Sob ameaça de piquete por parte dos delegados do PCP, o Consul viu-se obrigado a instalar mesa e sitio para o convivio durante estas eleiçoes. Convivio esse de que se encarregaram os mesmos delegados do PC, trazendo o pao, o queijo e os enchidos. Bela petiscada!!
Acima de tudo a impressao de ter encontrado uma comunidade activa, solidaria e envolvida na vida politica e civica. Estaçao de radio (a famosa Radio Alfa), 5 associaçoes, missas, clubes desportivos (o Créteil Lusitanos pois claro!!), clube juvenil...a lista é grande. Quem dizia que os portugueses sofrem de falta de activismo e associativismo tem aqui uma prova de contrario.
A verdade é que estes dois dias de eleiçoes foram uma prova de que os portugueses podem, sabem e gostam de fazer as coisas bem feitas. E nao precisam de receber nenhuma recompensa por isso!! Ou seja, pessoas empenhadas e conscientes de que trabalham para um bem commum e necessario, sao voluntariamente profissionais e competentes.E esta hein?
E para quem se queixa de que nao ha formas de se envolver politicamente em Portugal, mexam-se e voluntariem-se para mesas de voto e iniciativas do género. Nao é ficando à espera que a politica venha bater-vos a porta que se forma o activismo (activismo vem de "activo" se repararem bem...).
Para coroar esta participaçao, reportagem na RTP da autoria de Antonio Esteves Martins, testemunhando "os emigrantes a votar".

2 commentaires:

Ana a dit…

Hoje neva em Lisboa, no Alentejo, no Algarve! No ar rodopiam pequenos flocos brancos que, por momentos, fazem esquecer o negrume que, há uma semana, caíu sobre este pequeno e pobre país. Um país no qual de novo o medo fez vencer a arrogância, bem representada, de resto, nesta campanha. Da esquerda à direita: o profeta Louçã, para quem a esquerda só existe depois dele, o soberbo Soares a quem, de tanto se ouvir, a realidade fugiu, e o (falso) modesto Cavaco, pretensa competência, embalsamada!
Pouco mais de metade do país votou (que pensarão os outros?) e desses, metade escolheu Cavaco.A outra metade ainda vive o luto...
Mas acreditemos nesses homens e mulheres simples que nessa Paris, tão próxima e tão distante, como cá, se juntam com palavras amigas na busca de um caminho para este "petit jardin au bord de la mer", onde, apesar de tudo, oito séculos de História fizeram um País!
E que aí, na "Cidade Iluminada", ao longo destas Cartas, haja espaço para dizer também - Viva Portugal!

p.canha a dit…

gosto desse activismo!!! gosto do blog! lembra-me - e desculpe o pretenciosismo - os meus mês de Setembro de à uns anos - largos anos - atrás, em que me passeava pelos bois e pelas places, dessa tão inspiradora cidade, de livro e caderno de notas: romântico sem amor, à procura dele a cada esquina e ainda por cima, com sonhos de poeta!
Um abraço, vai ter aqui um leitor assidou.